CONHEÇA A IMPORTÂNCIA DE FAZER UMA AVALIAÇÃO DE IMÓVEL COM UM ESPECIALISTA

Você sabe o porquê fazer a avaliação de um imóvel com um especialista é tão importante? 

Vamos te explicar! 

Bem, o primeiro passo é entender que um imóvel pode ser avaliado por diversos motivos, seja para colocá-lo em aluguel ou até mesmo em um processo de partilha de bens, por exemplo.  

A avaliação é feita levando em consideração muitos fatores como a localização, a infraestrutura, tipos de serviços nas proximidades… Tudo isso no intuito de determinar mais precisamente o valor de mercado desse imóvel, e ela pode ser feita tanto de forma judicial quanto extrajudicial. 

A forma judicial acontece quando há a determinação de um juiz para que esta avaliação seja feita, e a extrajudicial quando o proprietário do imóvel que solicita a avaliação. 

Mas afinal, por que é tão importante fazer a avaliação de imóvel? 

Além é claro de saber ao certo quanto vale o seu imóvel ou se o valor pedido pelo proprietário de um imóvel está de acordo com o mercado, essa avaliação pode ser importante para outras coisas como: 

  • Possuir garantias bancárias; 
  • Estruturar a regularização do imóvel; 
  • Definir valores locatários; 
  • Fazer atualização patrimonial; 
  • Valores justos em disputas judiciais; 

E com quem deve ser feita essa avaliação? 

A avaliação, tanto judicial quanto extrajudicial, deve ser feita por um especialista imobiliário que tenha credenciamento ao CNAI (Cadastro Nacional de Avaliadores Imobiliários).  

Aqui na Joinville Imobiliária, temos o especialista Marcos Tavares (CRECI 18753/CNAI 06744) o que proporciona aos nossos clientes maior confiança e segurança na hora de fazer uma negociação. 

4 razões para investir no litoral agora!

Você ama passar uns dias na praia, descansando com os pés na areia e volta para a casa se perguntando se não deveria viver de vez no litoral?

Então, esse artigo foi feito para você! 

Além do lazer e descanso que a praia pode te oferecer, as possibilidades e facilidades para você conquistar o seu próprio cantinho na praia são várias.

Por isso, listamos as 4 razões para você investir no imóvel dos sonhos e não tirar mais os olhos do mar.

Renda Extra

Se você é do tipo de pessoa que sempre pensa na parte racional e financeira antes de tomar qualquer decisão, não se preocupe.

Por isso imóveis no litoral tendem a estar em constante valorização, então o investimento pode facilmente se pagar depois de alguns anos.

Além disso, se você não quiser mudar de vez ainda, durante os períodos que estiver fora pode locar para turistas.

Sendo assim as buscas por casas na praia são constantes e as cidades litorâneas e estão sempre sendo procurados por quem deseja curtir um tempinho longe da cidade.

Trânsito mais ameno e mobilidade urbana melhor

Um dos principais motivos que impulsionam as pessoas a saírem dos grandes centros é a qualidade de vida.

Principalmente quando falamos sobre cidades em que o trânsito pode tomar muitas horas do seu dia.

Porém no litoral a mobilidade é mais tranquila, as distâncias são mais curtas e o fluxo é bem menos enlouquecedor e estressante.

Imagine-se vivendo há poucos minutos da praia, restaurantes, casas de amigos… 

Você terá muito mais tempo para curtir o que realmente importa quando parar de gastar horas no congestionamento.

Privacidade

Uma grande chateação para quem ama passar um tempo no litoral sempre que pode é a dificuldade de achar hospedagem.

Hotéis estão sempre lotados, as casas de parentes podem trazer mais desconforto do que tranquilidade, pedir o apartamento daquele amigo pelo 4º feriado seguido começa a soar um pouco chato.

Sempre quando você tem seu próprio imóvel na praia, não vai mais precisar depender de outras pessoas.

Terá seu cantinho do lado do mar te esperando sempre que você quiser. 

Não importa se é alta ou baixa temporada, você poderá curtir sem aglomerações no café da manhã ou discussões familiares sobre o almoço.

Contato com a natureza

Talvez você não perceba, mas o contato com a natureza faz uma grande diferença na nossa vida.

Passar a semana toda olhando para prédios e uma cidade cinza acabam com o humor de qualquer um.

Estar em contato direto com a areia, a praia, a natureza especial do litoral dá um novo ar para a rotina.

Você com certeza terá muito mais tranquilidade no seu dia a dia sabendo que poderá curtir um final de semana tranquilo com os pés na areia e uma água de coco nas mãos.

Está esperando o quê?

Invista no seu próprio imóvel no litoral e troque apenas o final de semana corrido por uma rotina de tranquilidade na praia.

Pode ter certeza, fará toda a diferença para você e sua família viverem com mais qualidade.

DICIONÁRIO IMOBILIÁRIO: FAMILIARIZE-SE COM OS TERMOS

Se você está prestes a assumir sua independência, certamente precisa se familiarizar com os termos da área. Antes de fechar um negócio é importante que você tenha um conhecimento básico desse glossário um tanto particular do mercado imobiliário, justamente para não evitar de ser surpreendido!

Para te auxiliar, preparamos um conteúdo exclusivo sobre o assunto. Vamos nessa?

Escritura

Nada mais é do que um documento que prova um contrato ou ato jurídico. É firmado com testemunhas e registrado em cartório. A escritura de uma casa é, portanto, o documento de validade e posse do imóvel.

Hipoteca

É a colocação de uma propriedade como garantia de pagamento de dívida. O devedor passa o domínio dela ao credor. O bem pode ser tomado caso não haja a devida quitação das prestações assumidas.

imobiliário

Crédito Imobiliário

É o tipo de crédito especializado e voltado ao financiamento habitacional. Disponível no Sistema Financeiro da Habitação – o mais utilizado pelos brasileiros, com limite máximo de 80% do valor da aquisição – ou Sistema Financeiro Imobiliário – baseado nos tipos de garantia como hipoteca e alienação fiduciária.

Permuta

Uma troca que não envolve dinheiro. Pode-se trocar uma casa por um apartamento ou qualquer outro bem para se adquirir o imóvel sem que haja pagamento.

Nota promissória

Documento que estabelece uma promessa de pagamento com data e quantia definidas. Deve ser escrito e firmado em cartório.

ITBI

Sigla para Imposto de Transmissão de Bens e Imóveis, que refere-se a um tributo cobrado pelas prefeituras na transação imobiliária de venda. A taxa é de obrigação do adquirente e é variável de acordo com a legislação de cada estado.

Retrovenda

Cláusula de contrato reservando ao vendedor o direito de readquirir o imóvel em negociação dentro de um prazo estabelecido. Isso só pode ser feito com a restituição do montante pago e de quaisquer outros investimentos.

Habite-se

É o ato que marca a conclusão da obra e confirma a habitabilidade do imóvel. É emitido pelo poder municipal após vistoria que comprova que a construção atendeu todos os requisitos básicos legais.

Amortização

Pagamento realizado periodicamente para abater ou reduzir o total de uma dívida. Efetuar o pagamento de mais de uma prestação ou amortizar valores altos em separado são atitudes comuns nos pagamentos de imóveis.

DFI

O Seguro de Danos Físicos ao Imóvel é obrigatório em algumas transações, dependendo do local e do bem. Ele representa em média 3% do valor da prestação e cobre danos como os causados por incêndio, inundação, destelhamento, explosão, desmoronamento.

Registro do Imóvel

É o histórico do imóvel. Nele, há todas as extinções de direitos, mudanças e alterações referentes àquele bem. As anotações são feitas sob a característica legal de um número de matrícula.

Alvará

É o documento emitido pela prefeitura da cidade para validar e autorizar a construção de um novo projeto de engenharia.

Pronto! Agora você conhece um pouco mais da linguagem imobiliária e poderá dar os passos rumo à casa própria com mais segurança. Está preparado para realizar o seu sonho?

Então fale com a Jlle Imobiliária ou peça agora uma simulação.

PRIMEIRO IMÓVEL – DICAS PARA A COMPRA

Comprar o primeiro imóvel requer planejamento e preparação. Envolve pesquisa, plantão de dúvidas, simulação… Se você quer tirar esse grande sonho do papel, confira o nosso blog com as principais dicas de como se preparar para a aquisição da sua casa própria.

PLANEJAMENTO

Certamente essa é a primeira e principal dica: você precisa se planejar financeiramente. Para isso, avalie o cenário econômico, se inteire sobre as taxas de juros vigentes para empréstimos imobiliários e tome um panorama geral sobre a economia.

Assim, feito isso, olhe para a sua organização financeira. Você está estável no seu emprego? Tem uma renda fixa? Consegue guardar algum dinheiro mensal? Em geral, o financiamento imobiliário é o método mais usado para a aquisição de imóveis, mas é importante que você tenha uma quantia para dar de entrada – algo em torno de 20% do valor total do imóvel.

Especialistas alertam também que você estime o compromisso de 25% do seu orçamento mensal para o pagamento das prestações da concessão imobiliária. Você tem fôlego financeiro para isso?

IMÓVEL

Qual o tipo de imóvel ideal para suas necessidades? Você busca uma casa, que oferece mais espaço e liberdade? Ou prefere um apartamento, mais compacto e seguro? É importante que você tenha essas respostas claras na hora de começar a procurar o seu lar.

Estabeleça também quais bairros te agradam mais, qual a metragem ideal, se você tem alguma preferência por acabamento, a posição solar que prefere ou qualquer outra exigência. Isso te ajudará – e muito – no momento em que começar suas buscas.

SIMULAÇÃO

Com as necessidades estabelecidas e o planejamento financeiro organizado, chegou a hora de simular financiamentos. Existem muitos sites que fazem esse trabalho, mas o ideal é que você busque uma imobiliária especializada no assunto. Com o auxílio de profissionais capacitados, você identifica as oportunidades que cabem no seu bolso.

A Jlle Imobiliária é especialista no primeiro imóvel. A equipe está pronta para tirar todas as suas dúvidas e te colocar mais perto do seu sonho.

Fale com a JLLE e não erre na escolha!

www.jlleimobiliaria.com.br

47 3512-3001 | 47 99641-3934

vendas@jlleimobiliaria.com.br

Taxas de financiamento são o grande atrativo no mercado financeiro atual.

Taxas de financiamento mais baratas, condições de financiamento diferenciadas, o mercado imobiliário têm se beneficiado dos estímulos econômicos para facilitar a aquisição de imóveis.

Em virtude do novo Coronavírus (COVID-19), estamos experimentando muitas novidades no setor, com algumas paralisações de prestações e mudanças nas condições de aquisição de financiamentos, que pretendem facilitar a vida de quem quer investir no imóvel próprio.

Além, das facilidades de financiamento e flexibilização de taxas, por exemplo, que têm sido um forte atrativo para investir no mercado, com o intuito de manter a próspera retomada do mercado imobiliário, o governo e os bancos estão assumindo planos de contingência para passarem por esse período e ajudar seus clientes a conquistarem o sonho do primeiro imóvel.

Vamos entender mais sobre isso?

PONTOS FORTES PARA QUEM QUER COMPRAR

Veja bem, o consumidor pode até estar cauteloso, uma vez que estamos diante de um cenário incerto. No entanto, a queda da taxa de juros, as ofertas de crédito e a carência estendida são pontos atraentes no setor imobiliário.

A taxa básica de juros (Selic), recebeu um corte em 0,75 ponto percentual, passando de 3,75% para 3% ao ano. Essa é uma mínima histórica. Outra novidade são os prazos de carência de seis meses para financiamento de imóveis novos, anunciada pela Caixa Econômica Federal, isso com certeza é uma medida que facilita para quem vai adquirir seu primeiro imóvel agora (junho), mas só começa a pagar o financiamento em dezembro.

Essa flexibilização de pagamento e taxas são um verdadeiro empurrão para quem deseja realizar o sonho da casa própria. O desejo de compra do brasileiro permanece vivo e, com condições como estas, fica mais interessante investir.

Quer saber mais sobre as condições e encontrar o seu primeiro imóvel? Acesse nossa simulação, clicando aqui e fale como um consultor sobre os imóveis disponível e que cabem no seu bolso.

Composição de renda é uma solução para o financiamento imobiliário

Composição de renda pode ser entendida como a associação entre compradores para adquirir um imóvel. Muitos brasileiros não possuem orçamento suficiente para arcar com as prestações de um financiamento, por isso, a composição de renda é uma boa alternativa. A operação é bem simples: você junta a sua renda com a de algum outro familiar, parente ou cônjuge, para dividir as parcelas de financiamento imobiliário.

Vamos entender melhor como isso funciona?

composição de renda

QUEM PODE?

Tradicionalmente, a composição de renda para financiamento era permitida aos cônjuges, mas este cenário mudou há um bom tempo. Há abertura para a junção de finanças entre pais e filhos, irmãos, tios e sobrinhos e além disso, algumas instituições permitem compor renda independente de grau de parentesco.

Contudo, alguns bancos (como o Banco do Brasil) aceitam compor a renda de acordo com o grau de parentesco, além de limitar a três pessoas o número de integrantes, embora outros, como a Caixa Econômica aceitam composição de renda independente de parentesco. Por isso, vale a pesquisa apurada antes de dar entrada no processo.

composição de renda

COMO É FEITO?

Outro ponto importante é que na hora de definir o valor máximo da parcela (que não deve ultrapassar a margem de 30% da renda mensal), a instituição financeira soma os rendimentos de todos os participantes.

Assim, por exemplo, se você possui uma renda de R$ 4.000, pode comprometer no máximo R$ 1.200 por mês. Agora, juntando o rendimento de seu cônjuge, sendo este também de R$ 2.000, a margem salta para R$ 1.800.

Outro detalhe, a análise de crédito é feita individualmente, ou seja, nenhum dos proponentes pode ter pendências cadastrais. Inclusive, cada participante pode utilizar os recursos de suas contas vinculadas no FGTS para compor a entrada, liquidar parcelas ou amortizar o saldo devedor. Além disso, existem outros pontos a serem observados, veja a seguir.

CUIDADOS A SEREM TOMADOS

É sempre bom lembrar a importância de um planejamento financeiro sólido. Estamos falando de uma dívida de grande porte, que requer compromisso. Considere todas as fases e taxas do financiamento. Você pode acessar o nosso ebook sobre ‘Financiamento Imobiliário na Prática’ para saber mais dicas.

Além disso, é preciso que haja harmonia de interesses e regras bem definidas para evitar futuros dissabores entre os participantes. A pessoa que irá compor a renda familiar deve ser alguém de confiança e capaz de assumir a responsabilidade. Portanto, tenha absoluta certeza de sua capacidade financeira para assumir as parcelas, já que um erro de cálculo pode levar à inadimplência, culminando com a perda do imóvel.

Com todas as dúvidas esclarecidas, cabe a você avaliar se a composição de renda para financiamento é a opção adequada para o seu caso. Tomando todas as precauções, é possível contar como um recurso a mais para adquirir o imóvel dos seus sonhos.

A Jlle Imobiliária está pronta para te auxiliar na realização desse sonho!

Fale conosco!

(47) 3512-3001

(47) 99641-3934

Financiamento Imobiliário: Entenda as novidades.

Se você estava planejando financiar seu imóvel em 2020, chegou o seu momento! Isso porque, para incentivar o mercado, a Caixa anunciou que nas assinaturas de novos contratos, o cliente só começa a pagar as prestações do financiamento daqui a 6 meses. Ótima notícia para quem quer tirar o sonho do primeiro imóvel do papel, não é?

Como assim?

Essa novidade foi anunciada pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e vale para os novos contratos de financiamento imobiliário fechados a partir do dia 13 de abril. Isso quer dizer que se você fechar um novo contrato agora, poderá ficar seis meses sem pagar as parcelas. Não é um excelente incentivo?

E quem financiou imóvel antes do dia 13? Como fica?

Quem tinha assinado contrato de financiamento imobiliário com a Caixa antes disso, terá um prazo de suspensão de até 3 meses no pagamento de suas prestações do seu financiamento. Dependendo do decorrer da pandemia, o prazo poderá ser estendido. Mas atenção! No entanto, o benefício só vale para clientes adimplentes ou com até duas parcelas em atraso.

Mais novidades!

Além disso, os clientes com até duas parcelas em atraso, de 2 a 6 meses, podem solicitar o pagamento parcial da prestação por 90 dias. Outra saída para quem está com dificuldade de pagar as parcelas é usar seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para isso.

Como aproveitar?

Quem tem interesse em solicitar a suspensão pode ligar nos telefones 3004-1105 e 0800 726 0505 ou solicitar pelos canais digitais, como o internet banking da Caixa e o app Habitação CAIXA. Já para quem atrasou parcelas e precisa fazer uma renegociação de contrato, deve entrar em contato pelo telefone 0800 726 8068.

É hora de aproveitar…

Boas notícias para aqueles que já estavam planejando investir no primeiro imóvel, não é? A Joinville Imobiliária está pronta para ser sua parceira na realização deste sonho. Fale com a gente e saiba mais sobre como conquistar sua casa própria!

(47) 3512-3001 ou (47) 996413934

www.joinvilleimobiliaria.com.br

Copyright © - Todos os direitos reservados.